03 setembro 2008

Desconfiança

Tenho aprendido que palavras pouco resolvem quando a desconfiança entra em jogo. Por isso, ingredientes como o tempo, a paciência, a oração e MUITA misericórdia, são capazes de nos oferecer condições para que ultrapassemos um período assim.

Explicar(-se)? Reclamar? Falar aos outros? Tratar a pessoa com distanciamento e indiferença? Ficar triste? Cultivar auto-piedade? Comentar com outras pessoas? Descontar na mesma medida? Tudo isso, quase sempre, nada resolve. É preciso, em primeiro lugar, aceitar que as pessoas tëm a interpretação que quiserem do que quiserem. É preciso, então, aprender a deixar que (me) julguem de um modo diferente do que eu penso ou sou. Depois, minha vida precisa falar mais alto.

O tempo diz tudo... diz até mais do que a gente queria saber! Quer saber mais? O silêncio, nesses casos, é o mais poderoso instrumento que Deus costuma usar para "limpar a área". Coragem!

"O trabalho afasta de nós três grandes males: o tédio, o vício e a necessidade". VOLTAIRE (1694-1778)

Créditos da foto: http://olhares.aeiou.pt/deslumbramento_e_desconfianca_faces_da_infancia/foto1141166.html

1 comentário:

Guillaume Apollinaire disse...

"J'ai cuelli ce brin de bruyère
L'automne est morte souviens-t'en
Nous ne nous verrons plus sur terre
Odeur du temps brin de bruyère
Et souviens toi que je t'attends".