05 julho 2008

Apaixonar-se


“Tô apaixonado” – foi a frase que ele disse para iniciar o telefonema das 23h. “Tô me sentindo um leso, não me concentro em nada, estou todo empolgado, feito um bobão”. Eu quase morro de rir com a cena. E pensar que ele me dizia que isso não poderia acontecer com ele nessa idade. Acho que ele pensava ser imune. :)))) Coitadinho, não tomou a vacina, a doença pegou!
Engraçada essaa vida... Esse mesmo do telefonema me dizia, nas nossas longas conversas sobre a vida e seus melindres, que isso não acontece muitas vezes na vida, que já tinha lhe acontecido, não ia mais se repetir. Dizia, que os casais eram peças bem reunidas que pensavam em direções diferentes, até que um dia, se davam conta que buscavam a mesma coisa: amar quietinho.
E tem coisa melhor do que encontrar a “tal pessoa” que vai colorir nossos pensamentos? Sim, porque não sei se vocês notam, mas a gente tem uma visão monocramática até que se apaixone. A gente até pensa que vê tudo colorido, mas é um engano. Cores mesmo, a gente só vê quando o bichinho da paixão nos pega. Aí, o sol brilha muito, as cores se distiguem e a paisagem se torna ainda mais bela.
Essa “tal” que vem parecendo um arco-íris, por acaso (ou não), se encaixa perfeitamente no nosso abraço, adora dormir juntinho, nos manda mensagens nas horas mais improváveis do dia só para dizer que lembrou da gente por um vento que passou diferente. Essa critura, sem nem notar, “atrapalha” nossas aulas, trabalho, estudo. Nos tira, de uma forma maravilhosa, toda a concentração. E ficamos felizes com isso, o que é melhor. ;))
Apaixonar-se, é engraçado...

Que o bichinho da paixão pique vocês!

1 comentário:

Carol Cigerza disse...

"Dizia, que os casais eram peças bem reunidas que pensavam em direções diferentes, até que um dia, se davam conta que buscavam a mesma coisa: amar quietinho."

Gostei disso!!
:)